O crescimento do Home Care na saúde

O Home Care surgiu primeiramente nos Estados Unidos (EUA) no período pós-guerra, mediante a necessidade dos familiares de cuidar de seus doentes em casa. Após essa fase inicial houve a inserção dos profissionais especializados para este cuidado.

No primeiro momento de atuação da enfermagem no domicílio dava-se ênfase às doenças contagiosas. A partir de 1950 as doenças contagiosas, diante do trabalho realizado pelas enfermeiras visitantes e comunitárias, diminuíram expressivamente. O foco do trabalho então começou a ser os doentes crônicos.

As doenças crônicas inviabilizavam a vida do indivíduo, que na maioria das vezes necessitava longa permanência no leito, acarretando uma total dependência no desenvolvimento de ações, surgindo com isso problemas sociais e econômicos, e principalmente de saúde.

No ano de 1968 os serviços domiciliares no Brasil estavam em sua maioria restritos à vigilância epidemiológica materno-infantil. O Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo estruturou-se e iniciou suas atividades de visitação em domicílio.

Várias doenças podem dar direito ao Home Care. As principais são: Alzheimer, AVC, ELA e outras enfermidades que tornam o paciente dependente de cuidados médicos diários. O que irá determinar se o paciente precisa de cuidado domiciliar ou não é o relatório médico.

Para montar um Home Care é necessário que você tenha uma estrutura completa, ou seja, é necessário que tenha enfermeiros, médicos, bem como pessoal da área de farmácia e mobiliários específicos.

De acordo com a Vivo, a busca por serviços Home Care aumentou em 35% nos últimos dois anos por causa da pandemia. Muitas pessoas que pegaram Covid-19 ficaram em estado grave ou crítico e precisaram de um acompanhamento prolongado em casa. A tendência desse atendimento é só aumentar, pois cada vez mais buscamos praticidade e conforto para enfrentar períodos difíceis assim. 

Segundo uma pesquisa com médicos que atendem pacientes com taxa por serviço (FFS) e Medicare Advantage (MA), com o rápido crescimento desse setor, a previsão é que o Home Care represente até 25% dos atendimentos hospitalares em 2025. 

Esse serviço beneficia não apenas o profissional contratado que garante seu sustento em condições também mais confortáveis, mas principalmente o paciente que mantém sua qualidade de vida e tem sua recuperação mais rápida em um local que te oferece maior bem-estar e que ele já se sente seguro, além de também beneficiar a família que irá acompanhar o paciente de perto e oferecer todo apoio necessário neste momento de assitência.

Quando o atendimento Home Care é indicado?

  • realização de curativos complexos
  • necessidade de aparelhos para suporte de vida
  • infecções longas
  • pessoas com limitações
  • portadores de doenças crônicas com internações constantes
  • pacientes portadores de doenças 

O Home Care, mesmo que já conhecido por aí em boa parte do mundo, enfrenta alguns desafios como, limitações no atendimento, sobretudo em internações, baixo investimento em qualificação profissional e a falta de equipamento e infraestrutura. 

Em geral é um serviço muito interessante, inovador e útil, que pode auxiliar muitas pessoas em estado de assistência médica, promovendo maior conforto, segurança e bem-estar nessa fase mais complicada.

Se você está vivenciando este momento e quer conhecer mais detalhes da nossa linha de produtos para Home Care, acesse já o nosso catálogo de produtos ou o nosso site para conferir. Nós desenvolvemos produtos pautados no conforto, na segurança do paciente e da equipe médica, na qualidade dos insumos utilizados e na inovação, oferecendo o melhor ao paciente.

(Visited 35 times, 1 visits today)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.